quarta-feira, 24 de outubro de 2012

Quem é flor?



O trabalho da gente nunca aparece sozinho... pelo menos aqui funciona assim. Calmaria e tempestade. Um monte de ideias e uma secura de disposição, um monte de roupas para passar e vontade de comprar outras... (matemática estranha que juramos ter roupa demais para passar  e nenhuma para vestir.), tudo para fazer e no final do dia não se fez nada. Dia difícil... novo dia.

E o que fazer para viver inflamada? com sede de vida, de querer crescer, de fazer mais por alguém? de riscar-cortar-costurar?  Viver com sede de ser feliz? 
Para se viver inflamado, é preciso estar no fogo... tem que sair fumaça... 

Adoro a imagem de Drummond, que mesmo sendo da época da repressao, permite enxergarmos uma flor.
 
Uma flor nasceu na rua!
Passem de longe, bondes, ônibus, rio de aço do tráfego.
Uma flor ainda desbotada
ilude a polícia, rompe o asfalto.
Façam completo silêncio, paralisem os negócios,
garanto que uma flor nasceu.

(do poema A Flor e a Náusea)

Essa flor sou eu e você; é o brasileiro que toma seu café preto ou nem toma; é a mãe e o filho, o pai e o avô; são as Bonequeiras sem fronteiras, com suas bonecas de amor; é a turma que acorda cedo no domingo para fazer almoço e doar; é a enfermeira que oferece carinho junto com o remédio amargo; é quem rompe o asfalto.

Estou meio pensativa hoje... 

4 comentários:

  1. Oi Doris,
    Tem dias que realmente ficamos assim, meio "mornas", sem disposição e pensativas. Nos impõem e nos impomos a todo instante a flama do fogo - queremos isso, queremos aquilo - temos que fazer, agir, produzir.... E a calmaria, a apassentação, o ficar sem fazer nada sem nenhum sentimento de culpa é errado, é improdutivo, é obsceno? Muitas vezes prefiro ficar como espectadora da minha própria vida. É uma ação sem "a ação do agir", é a reflexáo, a calmaria, a apassentação. É como seu eu fosse a "moça da janela" da música A Banda. Quero a almofada na janela para não marcar meus cotovelos. Não quero dores e nem cobranças, somente o tempo da vida passando pelos meus olhos. Depois, saio da "janela" renovada. E volto com todo vigor, pronta para agir, mas com minha atenção também voltada para as "flores" que "teimam" em nascer no asfalto, Flor Maria, Flor João, Flor marido, Flores filhos e principalmente Flor "Eu".
    Boa apassentação Flor Doris. Mitos bjs.
    Leila Lima

    ResponderExcluir
  2. Vc falou em poesia e sugeriu quem são as flores... então lembrei de um verso que combina com o que vc disse, é do olavo bilac:

    Deus ao mundo deu a guerra,
    A doença, a morte, as dores;
    mas, para alegrar a terra,
    Basta haver-lhe dado as flores.

    ;)
    Ser flor não deve ser pouca coisa! rsrs

    ResponderExcluir
  3. A Doris é a mesma, agora muito melhor, que bom saber disso, nunca me enganei, nunca tive dúvida, agora só confirmo: é uma das melhores pessoas que conheci!

    ResponderExcluir
  4. Márcio, "assim você me mata" srsrrsrsr Só bons olhos podem enxergam coisas boas... só pode ser isso, teus olhos. Beijão.

    ResponderExcluir

Ocorreu um erro neste gadget